CARTAS


NOVOS HIDRÔMETROS




O diretor-geral do Saae afirmou que a média de consumo é de 7 metros cúbicos por mês, por pessoa. Ao longo de anos, minha esposa e eu temos consumido uma média mensal em torno de 15 m3.

Desde 1º de fevereiro, devido à recuperação de uma cirurgia, minha esposa não se encontra em casa. A conta em 26 de abril veio com consumo de 31 m3.

O Saae possui certificação ISO 9001? O novo hidrômetro foi patenteado no INPI? Qual o princípio científico utilizado no projeto? Qual a finalidade do hidrômetro ter incorporado um tubo de venturi? Qual foi a tecnologia empregada na fabricação? O novo hidrômetro teve um número razoável de unidades aferidas contra um medidor de vazão científico de ponta? Não seria o caso do Ministério Público abrir uma investigação sobre o assunto?

CLÁUDIO JOSÉ RIBEIRO DA SILVA

Resposta - No dia 18 de abril, um técnico do Saae-Sorocaba deslocou-se até o endereço do consumidor. Na ocasião averiguou que, mesmo sem o uso de água no imóvel, o hidrômetro continua registrando o consumo, o que demonstra a existência de vazamento. O responsável pela ligação foi orientado a providenciar o conserto e apresentar a comprovação do serviço realizado no Saae-Sorocaba e que, inclusive, terá direito à devolução, por meio de crédito na conta, de parte do valor pago referente ao volume perdido com o vazamento.

Caso o Ministério Público venha a instaurar inquérito, o Saae-Sorocaba vai colaborar com a apuração. Ambas as empresas fornecedoras dos novos hidrômetros possuem a certificação ISO 9001 ou superiores. Todos os hidrômetros são certificados e homologados pelo Inmetro. Os novos hidrômetros possuem a tecnologia velocimétrica de medição. Todas as características construtivas desses equipamentos seguem as orientações de NBRs específicas. A tecnologia empregada na fabricação do novo hidrômetro é a do princípio volumétrico de medição. Todos os lotes de hidrômetros adquiridos pelo Saae-Sorocaba são antes inspecionados em laboratórios creditados pelo Inmetro.

PREFEITURA DE SOROCABA


Estacionamento de motos




Sobre o novo tipo de ocupação de áreas nas ruas de Sorocaba por cobrança de estacionamento, concordo que foi um avanço e melhorou bastante a rotatividade das vagas. Porém, tem um erro muito grave: esqueceram que muitas pessoas usam motocicletas para o deslocamento ao Centro e praticamente não existem vagas demarcadas para motocicletas.

É fácil confirmar o que eu digo verificando alguns (mínimos) espaços que foram lembrados para as motos, com superlotação e os flanelinhas se fazendo de donos destes espaços.

Sugiro que os senhores da Urbes, responsáveis por este serviço, criem uma nova demarcação reservando para as motos um espaço de um carro em todas as esquinas. Isto pulverizaria o estacionamento e ganharíamos também uma visão melhor de acesso nestas vias.

JOSÉ CARLOS AFONSO

Resposta - Prezado José Carlos, a Urbes vem alterando, distribuindo e ampliando as vagas destinadas a motocicletas de forma gradual, visando proporcionar bolsões em locais onde a demanda de motos se faz presente. Atualmente contamos com 359 vagas distribuídas no Centro da cidade. Concordamos com o leitor e estamos adotando a sua sugestão no tocante à manutenção de pequenos bolsões próximos às esquinas e à redução de grandes bolsões, distribuindo de forma uniforme as vagas ao longo da via e inibindo a ação dos chamados flanelinhas.

PREFEITURA DE SOROCABA


VAGAS RÁPIDAS




Passo constantemente na rua Pandiá Calógeras, ao lado da Rodoviária. Neste local, há vagas rápidas de embarque e desembarque de passageiros. Os veículos devem ficar com pisca-alerta ligado durante no máximo 15 minutos. Porém, já faz mais de dois meses que ao menos um agente da Urbes fica neste local para fiscalizar este pequeno pedaço de rua. Minha indignação se dá pelo fato de que, na rua Cláudio Manoel da Costa (do Conjunto Hospitalar) há várias vagas semelhantes e não existe fiscalização tão efetiva.

Se analisarmos, o CHS é frequentado por pessoas debilitadas, idosos e deficientes, entre outros. Acredito que toda fiscalização é bem-vinda, porém a prioridade deveria ser para o CHS, onde há veículos estacionados em local proibido a todo momento. Nunca observei tamanha dedicação para punições nesta área, como está ocorrendo na Rodoviária.

NAOMI SHIRUBA

Resposta - Prezada Naomi, esclarecemos que as vagas da rua Pandiá Calógeras, próximo à Rodoviária de Sorocaba, não são as vagas rápidas de 15 minutos, mas sim de embarque e desembarque imediato, visando melhorar a circulação do tráfego do local, incluindo os ônibus que chegam ao local para o desembarque de passageiros.

Como esta alteração foi feita no início deste ano, ainda há necessidade de um agente de trânsito permanecer no local para garantir o uso correto das vagas. Com relação às vagas rápidas de 15 minutos da cidade, incluindo as que estão próximas ao Conjunto Hospitalar de Sorocaba (CHS), elas são fiscalizadas diariamente pelos agentes de trânsito.

PREFEITURA DE SOROCABA