CARTAS


Interação




Às 5h, indo ao trabalho, vi coisas incríveis, que parecem mais lenda do que realidade. Vi interação social espontânea, sem auxílio da internet: o efeito colateral da paralisação dos caminhoneiros.

Vi pessoas dormindo nos veículos; pequenos fogões cozinhando uma sopa quente para um grupo de completos desconhecidos (mas já colegas de fila); uma mulher levando fraldas, provavelmente para uma mãe desprevenida; ouvi músicas tocadas na viola (e de onde apareceu uma sanfona eu não sei, mas deve ser o mesmo dono que andava com uma cuia de chimarrão); vi pessoas jogando baralho; vi um pessoal mais jovem com o som do carro ligado e ao lado um casal agarrado por causa do frio (e pelos comentários, se conheceram ali mesmo).

É até natural nessa geração pensar que não se namora uma pessoa que se conhece fora da web. Parece que não tem graça ou falta coragem ver uma pessoa real e olhar nos olhos e, talvez, suando frio, iniciar uma conversa. Imagino até que a outra pessoa tenha muito receio de um completo estranho abordá-la, mesmo que seja apenas um desenrolar de palavras sem compromisso em um ponto de ônibus.

Infelizmente, a internet nos tornou covardes na vida real e só percebi isso nesta paralisação que forçou um a olhar para o outro.

ARNALDO FAZANO NETO


ZONA AZUL




Acho que nossos administradores públicos estão com o foco divergente do que venha a ser a harmonia e o bem estar do cidadão, pois não vejo o menor cabimento na implantação do estacionamento regulamentado em zona estritamente residencial de nossa cidade.

Minha indignação não é puramente pelo valor cobrado e sim pela imposição de o motorista ser obrigado a portar (comprar antecipadamente) o talão. Ao estacionar em tais lugares e procurar um local de venda, quando retornar ao seu veículo para colocar o citado talão, provavelmente vai encontrar um auto de infração.

Poderia a Urbes afixar junto às placas de regulamentação do estacionamento, um informativo dos locais próximos (100 a 200 metros) onde o cidadão encontrará o talão para comprar -- e dar tolerância de 10 a 15 minutos (isso se o local da venda estiver perto), apenas advertindo da necessidade do talão, antes da autuação.

MAURO ANTONIO ALVES CARNEIRO

Resposta - Prezado Mauro, informamos que o condutor não pode estacionar em vagas de Zona Azul sem o cartão. Ou seja, colocar informações dos locais de venda em placas adicionais fará com que os condutores, na busca por cartões, abandonem seus veículos e sejam autuados. A prática correta no uso do estacionamento rotativo é adquirir antecipadamente os cartões nos postos de venda credenciados, respeitar o limite rotativo definido nas placas e jamais estacionar seu veículo sem estar portando o cartão. Atualmente há em torno de 100 postos de venda em Sorocaba, incluindo as unidades da Casa do Cidadão, que podem ser conferidos no site da Urbes: https://www.urbes.com.br.

PREFEITURA DE SOROCABA


CONVÊNIO




Uso o espaço oferecido para reclamar do plano de saúde Santa Saúde. Necessito de uma cirurgia de pequena complexidade a ser realizada no Hospital Evangélico. Trata-se de solicitação feita por médico não conveniado, com honorários de minha responsabilidade. O convênio arcará apenas com as despesas hospitalares. A solicitação foi em 15 de março. Fui informado que a equipe técnica do convênio já autorizou o procedimento, resta apenas que autorizem o hospital. Fiz várias ligações e reclamações presenciais e sempre é protelado. O ultimo prazo oferecido foi 18 de maio, mas não cumprido.

JOSÉ CACIRAGHI


Resposta - Em resposta ao questionamento do sr. José, esclarecemos que o procedimento em questão está autorizado junto ao Hospital Evangélico, que já contatou o médico. O hospital aguarda agenda do médico para disponibilizar a retaguarda ao procedimento. Deste modo, o convênio cumpriu com a sua parte. O Sr. José está ciente do processo e da liberação. Quando tivermos a agenda do médico e do hospital voltaremos a informar o sr. José.

SANTA SAÚDE