BLOG DO SÃO BENTO


Com o dedo na ferida






O atacante Lúcio Flávio, liberado pelo DM, reforça o time - EMIDIO MARQUES O atacante Lúcio Flávio, liberado pelo DM, reforça o time - EMIDIO MARQUES

Ciente da dificuldade que é uma reta final de Campeonato Paulista brigando para fugir do rebaixamento, o São Bento vai tentar tirar proveito do desespero do São Caetano no duelo de amanhã, para ficar mais perto da próxima fase do Estadual. O Azulão sorocabano esteve na mesma situação no ano passado, quando conseguiu se livrar do fantasma da degola somente na última rodada e, por isso, o treinador Paulo Roberto Santos espera conseguir no aspecto psicológico uma vantagem sobre o adversário.

"Obviamente que, quando você enfrenta uma equipe que vem desde o início da competição brigando entre as últimas, com desgaste emocional e psicológico muito grande, tem de procurar trabalhar para tirar proveito disso. Da necessidade, de um desespero durante o jogo, que gera uma certa desorganização", analisa. Ainda assim, o comandante beneditino não espera encontrar facilidade no ABC Paulista. "Tudo isso é na parte teórica. Às vezes trabalhamos em cima disso e encontramos a situação um pouco diferente. Faltam quatro rodadas para a primeira fase terminar e todos os jogos continuam sendo difíceis", pondera.

Com sete pontos em oito jogos, o São Caetano está na zona de rebaixamento do Campeonato Paulista e na lanterna do Grupo B. Apesar disso, a equipe vem de uma vitória contra a Ferroviária na última rodada. O São Bento, por sua vez, com 13 pontos, tem uma das quatro melhores campanhas do Estadual e ocupa a vice-liderança do Grupo C atrás apenas do Palmeiras.

Sub-20 em preparação

A equipe sub-20 do São Bento / Ki-Gol se prepara para a disputa do Campeonato Paulista da categoria, que tem início programado para o dia 14 de abril. O objetivo na temporada, de acordo com o técnico Kike Andrade, é, além de fazer uma boa campanha, revelar bons valores para o time profissional. No comando das categorias de base do clube desde 2012, ele já foi o treinador em três disputas da Copa São Paulo de Futebol Júnior e vai para o oitavo estadual sub-20.


Na mira do Tricolor




Um dos principais destaques do São Bento no ano e também ao longo das últimas temporadas, o lateral-direito Régis está na mira do São Paulo. O camisa 2 beneditino é alvo do Tricolor, que enfrenta dificuldades para encontrar um dono para a posição e, segundo a imprensa paulistana, já estaria com negociações avançadas para contratar o atleta.

Régis está em sua terceira passagem pelo São Bento (ele também atuou no clube no Paulistão nos anos de 2016 e 2017) e tem contrato com a equipe sorocabana até 30 de abril. A diretoria do Azulão nega que haja negociação aberta pelo jogador e reforça que o vínculo dele vale até o fim do estadual.

Os problemas do São Paulo na lateral direita não são recentes. Nos últimos anos, os vários treinadores que passaram pelo clube não conseguiram encontrar quem assumisse o posto, que mais recentemente vem sendo ocupado por Éder Militão. Bruno, que foi contratado junto ao Fluminense para a temporada 2015, chegou a jogar bastante com alguns técnicos, mas desde a chegada de Dorival Júnior teve poucas chances. Nenhum dos dois, porém, convence comissão técnica e torcida.

Além de constantemente jogar mais avançado, no meio de campo, em casos de necessidade, ou até mesmo na ponta, Régis tem a versatilidade de poder atuar nas duas laterais. No último domingo, diante do Botafogo, com a suspensão de Marcelo Cordeiro o treinador Paulo Roberto Santos o deslocou para a esquerda e promoveu a entrada de Lucas Farias no time. Nesta temporada, Régis atuou em oito partidas e marcou um gol.

Carrasco?

Coincidência ou não, Régis tem um retrospecto extremamente positivo quando atua contra o São Paulo, com gols e assistências que foram decisivas em jogos válidos pelo Paulistão. Em 2016, ele foi o autor do único gol da partida entre as duas equipes, no CIC, na última rodada da primeira fase do Estadual. Atuando pela direita, ele deixou dois marcadores para trás e encobriu o goleiro Dênis, decretando a vitória são-bentista.

No ano passado, Régis voltou a marcar contra o Tricolor, mas o São Bento não teve a mesma sorte. No Morumbi, o lateral invadiu a área pelo lado esquerdo, deixou o zagueiro Maicon para trás com um drible desconcertante e estufou a rede de Sidão, empatando partida por 2 a 2. Minutos depois, o São Paulo conseguiria um pênalti que Cueva converteu para dar a vitória ao time da Capital.

Já neste ano, foi dele o cruzamento para Anderson Cavalo abrir o placar da vitória por 2 a 0 contra o Tricolor na partida de estreia das equipes no Paulistão -- logo após fazer "gato e sapato" de Maicossuel.

Aos 28 anos, Régis acumula passagens por equipes como Paysandu, Ponte Preta, Goiás e Portuguesa, entre outros. No ano passado ele chegou a ser contratado pelo Bahia para a disputa da Série A do Brasileiro, mas foi dispensado depois de atuar apenas duas vezes.


Desempenho caseiro (não) incomoda




Com mais pontos somados fora do que dentro de casa no Paulistão 2018 (mesmo tendo disputado dois jogos a mais em seus domínios), o discurso no São Bento é de que o desempenho aquém atuando em Sorocaba não incomoda o grupo. O empate sem gols com o Botafogo no último domingo levou o Bentão aos 13 pontos, dos quais apenas seis foram conquistados no CIC.

Apesar da nova frustração para o torcedor, o treinador Paulo Roberto Santos avalia positivamente a campanha da equipe, que se mantém entre as quatro melhores da competição. "O que eu vejo é a colocação do São Bento dentro da competição hoje. Com a pontuação que atingimos, alcançamos o primeiro objetivo", disse, fazendo menção à eliminação do risco de rebaixamento.

Apesar das poucas chances criadas, Paulo Roberto considerou que o Bentão teve diante da equipe de Ribeirão Preto um dos melhores desempenhos no segundo tempo. Para ele, a postura para quebrar a sequência de insucessos em casa deve ser parecida com a dos 45 minutos finais do último domingo. "Jogamos como tem de se jogar contra uma equipe com esse sistema defensivo. O São Bento não foi uma equipe inoperante, sonolenta, sem vibração ou coragem de tentar o enfrentamento", disse após o jogo.

Na primeira fase, o Azulão sorocabano tem apenas mais um compromisso atuando em Sorocaba, no dia 6 de março, contra o Ituano. Antes disso, a equipe tem mais dois compromissos, a começar pelo São Caetano, no próximo sábado (24), no ABC Paulista.

O elenco se reapresenta hoje e inicia os treinamentos da semana com a expectativa de contar com o retorno de alguns dos desfalques das últimas rodadas, como o zagueiro João Paulo e o atacante Lúcio Flávio. De fora no domingo por suspensão, o capitão Marcelo Cordeiro tem volta garantida à equipe contra o São Caetano.

Ataques decepcionam no CIC

Pouco inspirados, os jogadores de São Bento e Botafogo deram pouco trabalho para os goleiros Rodrigo Viana e Tiago Cardoso, na noite de domingo no CIC. Cada uma das equipes acertou apenas uma finalização ao gol adversário durante os 90 minutos e, no mais, o que se viu foram alguns chutes de longa distância sem direção e muita marcação, especialmente por parte da equipe de Ribeirão Preto.

O time visitante conseguiu, na primeira etapa, controlar as ações da partida e ficar mais tempo com a posse de bola no campo de ataque. Do lado botafoguense, as melhores chances vieram com Bruno Moraes e Cafu, que não acertaram a meta. Pelo lado beneditino, Celsinho exigiu a única grande defesa do goleiro rival na partida.

Na volta do intervalo, Paulo Roberto promoveu a entrada de Everaldo na vaga de Diego Felipe, deixando claro que a equipe buscaria o resultado. Apesar do maior volume de jogo, as chances foram poucas.

Os jogadores do São Bento ainda reclamaram de pênalti em uma jogada de Lucas Crispim, próximo à linha de fundo, mas o atacante acabou advertido com o cartão amarelo por simulação. As imagens da televisão mostraram que o camisa 19 do Azulão deixou a perna para tentar forçar o contato com o goleiro adversário.

São Bento 0 x 0 Botafogo

São Bento - Rodrigo Viana; Lucas Farias, Luizão, Rogério e Régis; Fábio Bahia, Diego Felipe (Everaldo), Celsinho (Cássio Gabriel), Lucas Crispim e Maicon Souza; Anderson Cavalo (Léo Itaperuna). Técnico: Paulo Roberto Santos

Botafogo - Tiago Cardoso; Carlos Henrique, Naylhor, Plínio e Mascarenhas; Walfrido (Jheimy), Diones, Taylor e Cafu (Serginho); Danielzinho (Dodô) e Bruno Moraes. Técnico: Léo Condé

Cartões Amarelos - Anderson Cavalo, Lucas Crispim, Lucas Farias (São Bento), Plínio e Diones (Botafogo)

Público - 2.869 pessoas

Renda - R$ 46.160

Árbitro -
Luiz Flávio de Oliveira

Local - Estádio Municipal Walter Ribeiro (CIC)